Homenagens são realizadas no Dia da Consciência Negra

por Luana Lobato Raddatz publicado 21/11/2019 12h26, última modificação 21/11/2019 12h26

         Sessão solene alusiva ao Dia Nacional de Consciência Negra foi realizada na noite do dia 20 de novembro de 2019 na Câmara Municipal de Uruguaiana. Afrobrás, Aruanda, Movimento Negro e Legislativo prestaram homenagens a seis pessoas que cultivam e incentivam a cultura afro no município.

          Compuseram a Mesa de Trabalho a presidente da Câmara, vereadora Zulma Ancinello, vereadores Fernando Tarragó, Irani Fernandes, Vilson Brites e Fernando Bermúdez. Também Delegado Regional da Afrobras e Presidente da Aruanda, Jorge Aurélio Alves Quirino; presidente do Movimento Negro de Uruguaiana, Elza Suzete Pinto da Fontoura, Vice-presidente do Movimento Negro de Uruguaiana, Simone Ortiz; Comandante do Destacamento de Proteção ao Voo de Uruguaiana, Capitão Milton Carlos de Oliveira Rezer e do Poder Executivo, Emerson Barreto Ortiz.

            Todos os anos, no espaço dessa Casa Legislativa, reconhecemos pessoas que contribuem para o engrandecimento da religião de matriz afro-brasileira, samba, do carnaval e o que a cultura trouxe para o Brasil”, afirmou Jorge Quirino sobre as homenagens. Pela Aruanda e Afrobrás receberam o certificado pelas ações José Luiz Garcia, Lucas Acunha Russi, Lucas Neves, Luiz Augusto Santos de Barros e Richard Soto.

José Luiz Garcia

Lucas Acunha Russi

Lucas Neves

Luiz Augusto Santos de Barros

Richard Soto

                 O Movimento Negro conferiu o certificado a João Carlos da Nova. “Cidadão apaixonado pela arte, música e história. Aquele que desde a infância convive com a harmonia, a melodia e o encanto que a musicalidade, principalmente de origem africana, proporciona em si e naqueles que o acompanham”, registrou Elza.

João Carlos da Nova

           Na oportunidade, a Companhia de Teatro Clandestinos encenou a peça teatral “Afronta”. Com 23 minutos de duração, a apresentação trouxe a reflexão sobre a resistência dos negros, a história do Brasil de desigualdades, os desafios e necessário enfrentamento do racismo; chamando atenção a estatística “a cada 23 minutos um jovem negro morre”.