Corridas de galgos são reconhecidas como patrimônio histórico-cultural

por Luana Lobato Raddatz publicado 28/11/2019 13h06, última modificação 28/11/2019 13h06

        A Câmara Municipal de Uruguaiana aprovou projeto de Lei que institui as corridas de cachorros como patrimônio histórico-cultural de Uruguaiana. A proposição de autoria do vereador Fernando Tarragó (PSD) foi votada neste dia 28 de novembro de 2019, com a presença de apreciadores das corridas e criadores de cachorros da raça galgo.

        De acordo com o parlamentar, as corridas no Brasil iniciaram em Uruguaiana em 1974, através de Osvaldo Leonetti. “Uruguaiana é pioneira em corridas de galgos no Brasil. Esse é um fato histórico e em muito lugares são tão valorizadas como os esportes de polo e hipismo”, considerou Tarragó.

           Representante dos criadores, Pedro Maidana, agradeceu o reconhecimento do Legislativo, registrou o cuidado com o bem-estar dos animais e convidou a comunidade a prestigiar os eventos no canódromo programados para os dias 8 e 15 de dezembro.

Justificativa do PL

             Os cachorros da raça galgo (greyhound) fazem parte da cultura gaúcha e de países vizinhos como Argentina, Uruguay e Chile. O gaúcho já usava está raça a séculos como pastoreio e caça nos campos do Estado.

             As corridas na América do Sul começaram na Argentina como forma de entretenimento e também para melhorar e aprimorar a raça nos anos 1930. No Brasil teve seu início em 1973 através de Osvaldo Leonetti que na ocasião tinha galos de rinha e foi participar de um campeonato na Cidade de Corrientes Argentina. Por sua vez ali ele viu uma corrida de Galgos, com lebre mecânica, nesta mesma ocasião ele comprou seu primeiro galgo brasino de nome Quati.

            Já nos primeiros meses de 1974 começava em Uruguaiana, assim no Brasil, as primeiras corridas de galgos no Jockey Clube da Uruguaiana.

Mary Joye
Mary Joye disse:
28/11/2019 20h56
As corridas de galgos são um negócio e, como todos sabemos, para todas as empresas, a prioridade é o lucro, portanto a lucratividade está acima da vida dos cães.
jaqueline acunha salgueiro
jaqueline acunha salgueiro disse:
29/11/2019 13h57
é lamentável que tendo em vista a enorme índice de abandono e a falta de condições de castração em nossa cidade que este retrocesso seja aceito em nossa cidade, vendo a quantia enorme de animais abandonados em nosso canil, as cadelas e cachorros abandonados em nossa cidade, cadelas prenhas implorando por uma castração, consciência...
Comentários foram desativados.